segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

A carta que eu nunca te escrevi - Parte 1

Os dias vão passando sem que eu me aperceba muito. Na minha cabeça ficámos em 2008. 2008 foi o nosso ano. Era aquela altura em que eu pensava, fazia uma cara e tu percebias, sem ter de dizer uma palavra. Crescemos para nos separar. Lentamente, como quem não quer a coisa, mas a coisa vai acontecendo. Foi assim. Da cumplicidade que nos unia pouco resta, daquilo que vivemos os dois pouco consigo recordar. São sempre as más memórias que me assolam espírito e mente, de dia e de noite. Viver "sem" ti é fodido. É o querer partilhar e não poder; é o querer sorrir e não deixar que os músculos o façam; é o querer mandar mensagens quando alguma coisa me faz lembrar de ti ou de nós e a cabeça - ou a esperteza - não deixam. É ter esta carta nos rascunhos há meses e não conseguir escrever o teu e-mail para ta enviar. Logo a ti, a quem eu sempre disse tudo, sem pudores. Conheces-me bem, topas-me à légua e essa, essa é uma das coisas que mais gosto em ti. Tenho saudades de quando ainda éramos um "nós", nós que nunca chegámos a sê-lo, eu que nunca tive a oportunidade para te fazer feliz. À séria. Tenho saudades de quando essa hipótese ainda era viável, normalmente às 4 da manhã, de copo na mão, felicidade típica de quem está onde quer estar, com quem quer estar. Tudo era possível aí. Sorriso aqui, beijo-de-fogo ali. Tudo era possível. Foram meses um bocado intensos. Aliás, anos. Anos intensos. E se soubesse o que sei hoje, tinha feito tudo diferente. E talvez olhasses para mim de forma diferente.

2011? Não passaram os anos. 2009 não aconteceu, 2010 foi um explodir de tudo na minha vida, tu sem seres a excepção à regra.  Esta é a carta que nunca te escrevi e que te explica o que eu sou hoje. Sem ti. Esta é a carta onde ponho as cartas na mesa, onde te explico o que é que se passa comigo. Sem medos e sem pudores - já não há muito a perder a esta altura do campeonato. A paixão já não existe, ficou o amor da amizade. Mas ainda ficou aquela sensação de que és o "homem ideal", a sensação de que reúnes todas aquelas características que adoro nas pessoas em geral e que, em ti, fazem todo o sentido. Para mim, eu e tu fazemos sentido. Juntos, nunca assim. Se calhar contigo cometi o maior erro da minha vida mas arriscar sempre fez parte de mim, da minha personalidade, daquilo que me transformei como pessoa. Não me culpes por querer arriscar. Ou culpa-me, mas aí também te culpo. Por aqui e ali não teres seguido o teu instinto. Por fazeres o que achavas que era melhor para nós dois. Ou para ti, porque, aparentemente, o melhor para ti sempre foi manteres-te longe de mim, longe do que eu podia ser ou do que eu me poderia tornar. Apostei tudo em ti. Apostei-me. Agora, aparentemente anos depois, vamos ver quanto perdi.

Esta é a carta que eu nunca te escrevi. 

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

#2

it's called karma baby. And it goes around.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Pensamento de 2ª feira de manhã

Toda a blogosfera viu ontem o Marley and Me. Eu não sou excepção, mas só consegui ver aos bochechos. E todas as vezes que vejo este filme tenho que me controlar, dá-me sempre vontade de ir buscar um cãozinho ao canil...

$#!&%*

tá um frio que não se pode.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

friday, i'm in love

Embora pareça ser claramente terça-feira. Esta semana passou a correr, cheia de trabalho e de coisas para fazer! Mais uns dias e baldo-me pa Londres... can't wait!

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

E os filmes, ninguém fala dos filmes?

Tou ansiosa, mas mesmo ansiosa para ver o King's Speech - algo que junte o Colin Firth e a Helena Bonham Carter (entre outros) precisa de ser visto com urgência. É esse e o The Kids Are All Right. Já o Black Swan, quero muito ver, mas perdoe-me a indústria, não vou vê-lo ao cinema, confesso-me, já me disseram que faz mesmo impressão - sendo que a Natalie Portman passa o filme todo a alucinar - e prefiro vê-lo em casa, onde posso por no pause quando quiser.

No meio disto tudo apercebi-me que ainda tenho o Alice in Wonderland para ver! Sim eu sei, eu sei, como é que não vi e logo eu que até gosto muito de Tim Burton (e mais ainda do Johnny Depp) mas a cena é que tinha uma combinação para ver esse filme quando estreou que depois foi arrastando, arrastando e quando dei por mim saiu do cinema, a pessoa da combinação saiu da minha vida e o filme, esse, ainda não saiu do computador.

Para além disso, da Cerimónia (que só tive tempo para a ver ontem à noite) fica-me na memória a homenagem ao Robert de Niro e a frase que o Michael Douglas usa ironicamente quando a sala se põe toda de pé para o receber: There's gotta be an easier way to get a standing ovation.

O Justin Bieber continua a ser o puto mais irritante à face da terra, o Robert Pattinson está esquisito (está a filmar o Breaking Dawn da saga Twilight e portanto mais magro e branco), a Natalie Portman tem um riso histérico mas dá uma grávida gira (aquela flor era horrível, estava bem mais gira no vestido que levou para a festa a seguir):


E sim, já que sou mulher... A Olivia Wilde para mim foi a mais bem conseguida da noite, ou seja, cabelo, maquilhagem e vestido estava tudo no lugar:


A Jennifer Lopez, não há comentário possível. O cabelo bem puxadinho para trás, street style, a sombra branca, o vestido, tudo é mau.



A Christina Aguilera é só das gajas que mais me irrita no mundo. Se não percebem porquê, ver foto abaixo. Acho que explica mais ou menos tudo. Para além disso está mega inchada, não se percebe.



A Jolie e o Brad são só o casal mais brutal do mundo. É que não há quem lhes tire este lugar, não vale a pena.


A Diana Agron (Glee) ainda vai dar que falar..!



E vêm aí agora os Bafta e dia 27 de Fevereiro já estão os Oscares a bombar. Adoro esta award season!

fotos: imnotobsessed.com & justjared.com

sábado, 15 de janeiro de 2011

Há muito tempo que não via um filme tão previsível

Adivinhei o final quase ainda no início... OK, OK, já vi muitos filmes, mas tive ali um feeling que era mesmo o que eu estava a pensar. Vale pelo Johnny Depp (vale sempre) e pela Angelina Jolie que está neste filme única e exclusivamente para provar a tudo e todos que nunca ninguém vai conseguir ser como ela.
E as pipocas que, neste dia, estavam tão boas!

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

searching...

Tenho andado à procura de um cantinho para mim o que se tem revelado uma tarefa difícil, senão mesmo um pouco impossível. As casas estão caríssimas! Por um T1 com 30 m2 pedem no mínimo 500€ e isto dificulta à partida a possibilidade de sair de casa dos pais e fazer-me à vida! Começa pelo ordenado claro, que não abunda e, para além disso, há que contar com água, luz, electricidade, móveis, blá, blá, blá. E para quem antes ainda contava com o apoio do Estado - Porta 65 - hoje em dia já são cada vez menos os casos de sucesso que ouço! Sei que vou acabar por encontrar uma casinha (de bonecas, claro, não tenho dinheiro para mais), mas estas visitas, negociações, procuras deixam-me chateada!
E já agora, quando encontrar, pode ser uma assim? ;)

the best things in life are free #2


o mar, os mergulhos, as carreirinhas. i miss summer

sábado, 8 de janeiro de 2011

pois

Às vezes assusta-me a capacidade que algumas mulheres têm para mudar um homem. Mas, verdade seja dita. Só muda quem está numa de ser mudado.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Histórias com um final feliz

Esta é uma delas. A história do sem-abrigo com uma "golden voice" que arranjou agora trabalho. Ouçam porque vale a pena.



We'll be back with more, right after these words!

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Faço parte dos 70%

Estimo - e quando digo estimo, sou eu, só eu a estimar - que 70% da população esteja, com uma grande gripe. Acho que vendo bem as coisas, até é uma percentagem aceitável, só nos mais chegados estão 4/5 que pertencem a esses 70%, o que é bem representativo da população portuguesa. Pois é, estou doente, de cama e o pulmão começa a acusar a pressão dos anos sem fim a fumar cigarrinhos uns atrás dos outros. Esperam-se melhoras rápidas. Ou férias, o efeito é o mesmo.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Bonané!

Não vou fazer planos malucos ou decisões precipitadas. Foi tudo bem pensadinho para 2011. Vou só mudar algumas coisinhas, acabar com outras e, sobretudo, ser feliz. E escrever mais aqui. E comentar mais aí. E ser feliz. É só o que quero em 2011.