segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Dos Óscares #1

O meu award show preferido de sempre! Os Óscares chegaram e com eles trouxeram vestidos lindos, vestidos horríveis, um "fucking" a meio de um agradecimento e, principalmente, a consagração dos melhores filmes de 2010!

Este ano, acertei em todos os principais vencedores!

The King's Speech - Já aqui falei dele... Adorei o filme e sobretudo adorei o Colin Firth que faz um papelão que vai ficar na memória de todos nós por muitos mais anos. A realização está extraordinária e os três actores principais dão vida a um filme um bocado morto à partida. Da gaguez perfeita do Rei Colin Firth à actuação brilhante do Geoffrey Rush, à presença discreta mas seguríssima da Helena Bohnam Carter, este era um filme que tinha tudo para brilhar nesta noite. Tinha adivinhado o Colin Firth - era um bocado óbvio -  e achei que a Helena ia perder para a Melissa Leo mesmo antes de ver o The Fighter, acontecendo o mesmo com o Christian Bale. No entanto, fico feliz pelo filme não ter sido passado ao lado.

The Fighter - Amei este filme. Vi ontem em modo final de tarde de Domingo e fiquei absolutamente rendida ao Christian Bale, que rouba o filme a todos os que o rodeiam, mesmo às performances fantásticas da Melissa Leo e da Amy Adams que se tem mostrado cada vez mais uma actriz versátil e muito forte (já tinha ganho um Óscar pelo Doubt, logo duvidei que lhe dessem o segundo). A Melissa Leo está fantástica, o papel encaixou-lhe na perfeição e ela soube fazer dele o que quis. Não achei que fosse um papel daqueles "faz isto e a nomeação tens garantida", achei que a personagem foi bem trabalhada e muito bem conseguida. Não conhecia o trabalho dela, mas fiquei fã. Umas curiosidades sobre o filme: o The Fighter foi ideia do Mak Wahlberg, que também produz e foi o único que não foi nomeado. Poor thing. E o Darren Aronovsky (realizador do Black Swan) é o Executive Producer! Ainda tive um bocado de medo quando vi isto pelo que poderia fazer ao filme, mas sem preocupações, está excelente!

Black Swan - OK, admito agora publicamente que não fui capaz de ver o Black Swan até ao fim. Detesto filmes de terror, assombram-me as noites bem dormidas e evito ver. Claro que um filme desta categoria era para ser visto, então fiz um pequeno esforço. Não cheguei a ver uma hora do filme, mas chegou-me. Os planos fechados, a música assombrosa, o tremer da camara (e o tremer consequente das minhas mãos), os minutos e minutos dentro da casa-de-banho, a respiração pesada... foi um filme feito à partida para chocar, para deixar o espectador incomodado com a bailarina perfeita que faz tudo menos incomodar. As imagens de violência gratuita com a Winona Ryder ou as imagens explícitas com a Mila Kunis são pontos que se vão unindo para fazer deste filme psicologicamente perturbador...e um dos melhores de 2010. A Natalie Portman é absolutamente brilhante. Não vi todo o filme, mas o que vi bastou-me. As cenas finais, que vi depois, são de uma genialidade até estranha numa miúda desta idade, os olhos tresloucados, o desespero da concorrência, a frase final tudo isto conjugado fez com que considerasse que este era um papel para Óscar...e para Globo de Ouro e para BAFTA. Muito provavelmente vai demorar muito tempo até conseguir fazer outro papel assim. Merecidíssimo.

E claro, havia muito mais para dizer. A genialidade do Toy Story 3, o Leonardo DiCaprio no Inception (mais uma vez ignorado pela Academia, não sei qual é a embirrancia), o próprio Inception, enfim... Para o ano há mais. Já a seguir os vestidinhos... e os momentos!

The 30-Day Song Challenge #1

Day 01 - Your favorite song

Maroon 5 - Secret: simples, tal como eu. Adoro*

domingo, 27 de fevereiro de 2011

The 30-Day Song Challenge

Descobri isto no facebook da Fia e gostei do desafio! A partir de hoje vou tentar aqui por todos os dias uma música segundo as regras do desafio, que pretende dar a conhecer um pouco mais sobre quem o faz. Aqui fica a lista das 30 músicas:


Day 01 – Your favorite song
Day 02 – Your least favorite song
Day 03 – A song that makes you happy
Day 04 – A song that makes you sad
Day 05 – A song that reminds you of someone
Day 06 – A song that reminds of you of somewhere
Day 07 – A song that reminds you of a certain event
Day 08 – A song that you know all the words to
Day 09 – A song that you can dance to
Day 10 – A song that makes you fall asleep
Day 11 – A song from your favorite band
Day 12 – A song from a band you hate
Day 13 – A song that is a guilty pleasure
Day 14 – A song that no one would expect you to love
Day 15 – A song that describes you
Day 16 – A song that you used to love but now hate
Day 17 – A song that you hear often on the radio
Day 18 – A song that you wish you heard on the radio
Day 19 – A song from your favorite album
Day 20 – A song that you listen to when you’re angry
Day 21 – A song that you listen to when you’re happy
Day 22 – A song that you listen to when you’re sad
Day 23 – A song that you want to play at your wedding
Day 24 – A song that you want to play at your funeral
Day 25 – A song that makes you laugh
Day 26 – A song that you can play on an instrument
Day 27 – A song that you wish you could play
Day 28 – A song that makes you feel guilty
Day 29 – A song from your childhood
Day 30 – Your favorite song at this time last year

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Olha-me a pega.

A parva da Geração Parva

Isabel Stilwell

Acho parvo o refrão da música dos Deolinda que diz «Eu fico a pensar, que mundo tão parvo, onde para ser escravo é preciso estudar». Porque se estudaram e são escravos, são parvos de facto. Parvos porque gastaram o dinheiro dos pais e o dos nossos impostos a estudar para não aprender nada.
Já que aprender, e aprender a um nível de ensino superior para mais, significa estar apto a reconhecer e a aproveitar os desafios e a ser capaz de dar a volta à vida.
Felizmente, os números indicam que a maioria dos licenciados não tem vontade nenhuma de andar por aí a cantarolar esta música, pela simples razão de que ganham duas vezes mais do que a média, e 80% mais do que quem tem o ensino secundário ou um curso profissional.
É claro que os jovens tiveram azar no momento em que chegaram à idade do primeiro emprego. Mas o que cantariam os pais que foram para a guerra do Ultramar na idade deles? A verdade é que a crise afecta-nos a todos e não foi inventada «para os tramar», como egocentricamente podem julgar, por isso deixem lá o papel de vítimas, que não leva a lado nenhum.
Só falta imaginarem que os recibos verdes e os contratos a termo foram criados especificamente para os escravizar, e não resultam do caos económico com que as empresas se debatem e de leis de trabalho que se viraram contra os trabalhadores.
Empolgados com o novo ‘hino’, agora propõem manifestar-se na rua, com o propósito de ‘dizer basta’. Parecem não perceber que só há uma maneira de dizer basta: passando activamente a ser parte da solução. Acreditem que estamos à espera que apliquem o que aprenderam para encontrar a saída. Bem precisamos dela.

Style #2 by Blake Lively

Gotta love Blake.

Versão shorts.


Versão Verão


Versão calças de ganga e blazer



Versão Serena Van Der Woodsen




Versão Paris-Quero-Tudo-Igual


Versão vestido de noite



quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Road to the Oscars - The King's Speech



Óscar, rapidamente. O Colin Firth faz dos papéis mais bem feitos que alguma vez vi um actor fazer. Se a categoria feminina e masculina fosse a mesma, a Natalie Portman estava com sérios problemas... o Geoffrey Rush não lhe fica atrás e a Helena Bonham Carter está fantástica, num registo diferente a que nos acostumou a ver. O filme é excelente, vê-se bem, mete história e segunda guerra mundial que deixa aqui a cairs muito contente (sou um bocado nerd com as guerras mundias) e mete ainda Inglaterra, de onde acabei de vir e que adoro!

Mais que tudo isso, o argumento não deixa a desejar, ainda mais por se tratar de uma história real que "assombrou" a família real inglesa há tantos anos. Consta que o realizador pediu autorização à Rainha para fazer o filme [sobre o marido] e ela autorizou, desde que ele o filmasse apenas depois de ela morrer (já que lhe custavam as memórias). O realizador assim o fez e este é o resultado. De óscar.

Fica aqui o trailer, que dá um cheirinho do bom que o filme é.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Londres #2

O Concerto!

Ahh, o concerto... O plano inicial de ir a Londres fazer uma visitinha à Rainha apareceu porque somos MEGA fãs de Maroon 5. Adoro-os há anos, apareceram na minha vida numa altura mais complicada e o Songs About Jane foi o meu refúgio durante todo o terceiro ano da faculdade. Depois, foram ficando. Na minha cabeça, no meu coração, no rádio do meu carro, nas mil horas no trabalho. Um disco atrás do outro e uma paixão cada vez maior. E como boa fã de concertos ao vivo que sou, andava chateada porque nunca cá meteram os pés.

Então, anos depois, lá decidimos que se eles não vêm a Lisboa, vamos nós a Londres, aproveitamos e damos um passeio, fazemos umas comprinhas, só naquela de voltar a uma cidade que tanto gosto.

E o concerto foi tudo e um bocado mais daquilo que estava à espera... Foi hora e meia de coração apertado, saltos um bocado histéricos, confesso, mas foi L-I-N-D-O. Um dos concertos da minha vida.

Melhor de tudo, tivemos direito a um piscar de olhos do Adam!! E não estava a sonhar (claramente poderia estar) mas ele apontou para nós que estávamos com um cachecol de Portugal no ar e piscou o olho. E melhor de tudo, a prova está aqui, ao minuto 4:26.



E para quem ainda duvidava que ele fosse sexy, digo e repito, não dá para ficar indiferente. E mais que isso, é um animal de palco com uma voz fantástica que nunca desafina...

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Londres #1

Fui ver mais um musical - desta vez o We Will Rock You. E, claro, amei! Aliás não me lembro de ter visto um musical que não tenha gostado, são sempre super produções muito diferentes do que é feito aqui em Portugal, por exemplo. Também ajuda o facto de terem casa cheia todos os dias (fui a uma quinta-feira e o teatro estava a rebentar pelas costuras com tanto turista) e de terem elencos de luxo que são nomeados para prémios ingleses que não são como os globos de ouro. E atenção, volto a repetir o que disse ali em baixo - adoro Portugal - mas a nossa cultura ainda está um bocadinho atrasada em relação ao resto da Europa.



Enfim, o musical é brutal, de rir e cantar até não poder mais! O Galileo Figaro (personagem principal) é português, o Ricardo Afonso, que canta maravilhosamente bem e faz par com a inglesa Sarah French (Scaramouche). O corpo de bailarinos é simplesmente delicioso, a voz da Queen é de arrepiar toda a espinha e está coberto de momentos de cortar a respiração. Para quem adora música então (mas da antiga, da real, a da guitarra, baixo e bateria) o musical ainda toca mais no coração.



Estão em cena há mais de 9 anos e continua going strong! Aconselho a quem for a Londres!

True Story

Cada vez que venho de viagem de um país assim dito fixe, venho sempre com vontade de mudar de vida, de país, de cultura. Sempre fui e sempre serei uma cidadã do mundo e já não deve faltar muito para me mandar deste Portugal (que por acaso até adoro) para qualquer sitiozinho mais avançado. Can't wait!

Novidades de Londres a postar em breve.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Off we go!*

see you next week ;)














*it's London baby!

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

com todas as letrinhas

FUCK MONDAYS.

E btw, o dia dos namorados também. Sempre detestei e mantenho a minha opinião - é o expoente do consumismo em fevereiro e uma desculpa para o pessoal ser absolutamente ridículo.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Da minha vida académica

...ou de como isto anda num belo caos.

Então durante as próximas 7 semanas, tenho aulas às quintas (18h30-21h30), sextas (18h30-21h30) e sábados (09h30-12h30).

Tenho dois trabalhos para entregar no dia 4 de Março. Um de Ética, Informação e Comunicação, estado: 5% (pesquisei os livros no site da fnac e vou lá comprar um deles hoje). Outro de Marketing, estado: 0%.

Estou cheia de trabalho esta semana, estou sozinha no departamento que a M foi duas semanas de férias. Tenho um evento na próxima terça-feira, todo o dia, para 300 pessoas, para organizar sozinha. Esta semana tenho dois "eventos" sociais que me vão levar a noite toda. O resto dos dias, estou nas aulas.

Vou para Londres na próxima quarta-feira e só volto domingo. Isto deixa-me duas semanas para fazer os trabalhos, ir às aulas todas, manter a minha vida profissional em ordem e não descurar da minha vida social.

Vou-me fechar em casa no fim-de-semana. Damn.

Perfeito caos, não disse?

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Vanity Fair - The Hollywood Issue


Na capa - Jake Gyllenhaal, Ryan Reynolds, Anne Hathaway, James Franco. No desdobrável: Jennifer Lawrence, Anthony Mackie, Olivia Wilde, Jesse Eisenberg, Mila Kunis, Joseph Gordon-Levitt, Andrew Garfield, Rashida Jones, Garrett Hedlund, Noomi Rapace e Robert Duvall.

Está brutal!

Rihanna, Portugal, 17 de Dezembro

Eu vou.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Entretanto, tou completamente apaixonada

Sim, só ontem é que o descobri à séria.

Love and other drugs

Sometimes the things you want the most don't happen and what you least expect happens. I don't know - you meet thousands of people and none of them really touch you. And then you meet that one person and your life is changed.

A-M-E-I.